Reviravolta: não à troca de motor durante a prova do Mundial de Endurance

0
9
Dietrofront: no al cambio motore in corsa nel Mondiale Endurance

A natureza e a essência do Campeonato Mundial de Endurance de motocicleta é segura! Esta exclamação representa um tanto em uníssono o sentimento das equipes, pilotos e insiders do FIM EWC. A proposta, revelada nestas páginas no dia 1º de novembro, de permitir a troca do motor durante a corrida em caso de problemas, não foi concretizada. Pelo contrário: foi definitivamente rejeitado pela Comissão de Corridas de Estrada da Federação Internacional de Motociclismo.

NENHUMA MUDANÇA ÉPICA NA RESISTÊNCIA

Uma história do que aconteceu está em ordem. À luz dos muitos problemas de confiabilidade que afetaram todas (ou quase) as equipes oficiais envolvidas no FIM EWC no Bol d’Or em setembro passado, o Grupo de Trabalho de Endurance colocou ênfase nesta questão. Concretamente, a partir de 2023 a possibilidade, durante a corrida, de poder substituir o motor em caso de problemas. O regulamento hoje em vigor permite a possibilidade de substituir e/ou reparar tudo nas motos em prova, exceto quadro e motor. A substituição dos motores durante a construção teria, portanto, representado um ponto de viragem para as competições de motociclismo de resistência.

EQUIPE MUNDIAL DE ENDURANCE CONTRA

Quando esta proposta foi publicada, claramente o circo FIM EWC estava em crise. No entanto, em uníssono, as equipes envolvidas se opuseram a essa ideia. Em parte por uma questão de custos (relativo: o motor equipado na T-Bike poderia ser usado), mas também por prerrogativas puramente esportivas. Uma vez que a lei foi feita, é fácil encontrar engano, especialmente para as equipes de ponta. Teria sido apenas uma questão de tempo que essa possibilidade, talvez com certos sistemas de substituição”rápido” dos motores, teria se tornado uma prática para algumas realidades, “quebra” talvez as 24 horas em duas frações de 12 com motores ad-hoc.

PROPOSTA REJEITADA

Por estas razões, partilhadas pelo próprio Endurance Working Group, esta proposta foi rejeitada na sede competente da Federação Internacional de Motociclismo. Nada feito, portanto, pela oposição de equipes e partes envolvidas na especialidade, ansiosas por não querer desvirtuar o próprio conceito de “corridas de resistência“.

O PROBLEMA DE CONFIABILIDADE PERMANECE

No entanto, o que aconteceu no Bol d’Or não passou despercebido e colocou uma séria avaliação sobre o que fazer. Isso não será o “troca de motor” em execução, mas várias soluções estão sendo estudadas, principalmente no que diz respeito à etapa de 24 horas em Le Castellet. Mas isso é outra história e falaremos sobre isso em outra oportunidade…