Superbike Austrália, Jonathan Rea volta a rugir: “Vitória especial”

0
5
Jonathan Rea Superbike

Jonathan Rea se libertou. Depois de 24 corridas sem vencer, ele triunfou na primeira bateria da rodada de Superbike na Austrália. O último triunfo foi datado de 22 de maio, quando levou a melhor na Corrida 2 no Estoril depois de vencer também a Corrida da Superpole pela manhã.

Uma verdadeira libertação para o piloto da Kawasaki, que deu vazão a toda a sua felicidade no final da prova. Ele queria voltar ao sucesso antes do final do campeonato e conseguiu. Em Phillip Island uma grande performance na Corrida 1 que começou em pista molhada e terminou em pista seca. Ele e a equipe foram bons em administrar o tempo para trocar os pneus. De volta à pista, ele teve uma boa margem sobre Toprak Razgatlioglu e conseguiu bem até o final.

Superbike Austrália, Jonathan Rea comemora em Phillip Island

Rea está nas nuvens por estar de volta ao degrau mais alto do pódio: “Vencer é mais bonito do que qualquer outra coisa. A temporada tem sido muito movimentada. Alvaro e Toprak foram muito bons, não faz sentido eu me sentir decepcionado ou com pena de mim mesmo. Estamos sendo derrotados por pilotos que estão rodando bem e por fabricantes que estão se esforçando muito. É motivador continuar a trabalhar, a segui-los e a desafiar-me a mim e à minha equipa. Acho que estamos fazendo um ótimo trabalho. Esperamos levar esse impulso para amanhã e terminar a temporada com uma nota positiva“.

O hexacampeão mundial de SBK voltou a sorrir e conquistou a vitória número 123 em um Campeonato Mundial FIM: 118 em Superbike, 3 em Supersport e 2 em Endurance. Também Tiago Agostinho em sua vitoriosa carreira obteve o mesmo número de acertos na prova, mas divididos da seguinte forma: 68 em 500, 54 em 350 e 1 em 750.

Johnny explica o pit stop da Kawasaki

Rea também pôde comentar o momento em que decidiu voltar para a garagem para substituir os pneus de chuva por slicks: “Mais coisas aconteceram nessa corrida e isso torna a vitória mais especial, porque a equipe se envolveu no pit stop. Tomei a decisão perfeita de voltar, talvez uma volta tarde demais. Eu queria fazer isso antes, mas concordamos que eu deveria dar a eles um sinal na reta e pensei que não. Então, voltei ao circuito depois disso. Ainda assim, eu sabia que era o momento perfeito“.

Alvaro Bautista não parou, então Johnny logo entendeu que no máximo teria brigado com Razgatlioglu pela vitória: “Vi que Toprak também voltou, então pensei em fazer as últimas dez voltas com ele. Fiz um pit stop melhor que o dele, ele perdeu 4 segundos de mim. Na volta de saída acabei em uma mancha molhada e pensei que fosse cair. Nas seguintes, travei lá primeiro e depois consegui uma boa vitória. Um sucesso de equipe, pois todos estavam envolvidos“.

Foto: WorldSBK.com