Superbike, Alex Polita “Eu, de outra época: os pilotos de hoje não fazem sacrifícios”

0
6
Alex Polita; Superbike

Alex Polita sempre adorou pilotar sua moto de motocross. Ele deveria ter se tornado um campeão de rodas protuberantes, em vez disso, ele abriu caminho para o mundo da velocidade. Direto e sincero, ele sempre diz tudo o que pensa: para o bem ou para o mal. Alex Polita é talvez um dos pilotos mais verdadeiros, genuínos e carismáticos que já estivemos na Itália. Ele provavelmente recebeu menos do que merecia, mas venceu a Superstock 1000 World Cup, competiu no WSBK, WSSP, BSB, no campeonato alemão e no CIV. Atualmente trabalha no mundo do motociclismo como testador oficial da Pirelli para o setor de Superbike e talvez em 2023 participe das corridas do Campeonato Mundial de Endurance.

Alex Polita, se você se olhar no espelho quem você vê?

“Vejo um homem feliz e realizado que ainda trabalha em motocicletas e em uma grande empresa. Hoje sou testador, continuo desenvolvendo os pneus, treino, ando de bicicleta, com moto de motocross, saio para passear com meu cachorro e estou bem. Este ano não competi, agora estou avaliando se faço ou não algo no Endurance mas só se realmente valer a pena. Acompanho as corridas de fora e não sinto falta, sou de outra geração agora”.

Que?

“A de pilotos como Scassa, Baiocco, Roccoli, mas também Pirro. Caras que trabalharam muito, se deram muito mas muito a fazer. Hoje já não vejo toda esta vontade de fazer sacrifícios: olhamos mais para outra coisa. Quando eu corria no Campeonato Mundial, muitas vezes não tínhamos dinheiro para ir a restaurantes, mas tínhamos uma paixão extraordinária. Quando ganhei a Copa do Mundo Stock 1000, não tinha orçamento para continuar, mas não fiquei parado. Antigamente talvez houvesse mais meritocracia. Hoje não tem lira então é normal que as coisas tenham piorado. Será lógico que um cavaleiro como Tamburini esteja a pé?”

Você competiu com ele?

“Ele é mais novo do que eu, mas vejo como é e também me lembro bem do passado. Dez anos atrás, ele estava entre os protagonistas do Campeonato Mundial de Supersport com um ciclomotor branco e azul claro muito particular. Este ano correu no WSBK com uma boa equipa mas com a Yamaha menos competitiva no geral, com uma fractura no tornozelo e quase sempre a pontuar. O que mais ele precisava fazer para merecer uma sela em 2023? Agora tudo mudou em comparação com era uma vez ”.

Olhando para o seu passado, você se arrepende?

“Não, porque estou satisfeito e orgulhoso do que fiz. Infelizmente a minha carreira foi condicionada por lesões e sobretudo por falta de dinheiro porque certamente não tive uma família rica e neste desporto o orçamento é tudo mas dei mais do que podia. Obtive resultados importantes mesmo com meios aquém do esperado e assim conquistei a estima e o respeito das grandes empresas e ainda hoje trabalho no motociclismo”.

Como você vê o Campeonato Italiano de Superbike de fora?

“Quando você vai para a escola ou é muito bom em estudar ou copiar. Aqui bastaria ser bom a copiar o campeonato inglês ou o campeonato alemão em que participei no passado. Bastaria imitar outras nações. A CIV Superbike não é tão educativa como a BSB que realmente prepara os pilotos para o Mundial de Superbike, mas também não é tão barata como a alemã onde se paga 90 euros para entrar na corrida. Custos altos, corridas curtas, poucas pistas: CIV SBK é um campeonato inútil. Felizmente Michele Pirro está lá, senão seria zero”.

Alguns contestam um pouco a presença de Pirro no CIV. Você é a favor?

“Grande momento! Se alguém quer pensar em chegar ao Mundial de Superbike, tem que competir com ele no CIV e vencê-lo. E não se diga que tem uma moto superior porque a Aprilia da New M2 ou a Yamaha da equipa Keope são grandes motos. Michele Pirro é um piloto que com experiência, empenho e sacrifícios conseguiu tornar-se um peão fundamental da Ducati, Campeã do Mundo de MotoGP e Superbike. É um piloto a ser tomado como exemplo”.

Na Amazon “Como eu projetei meu sonho” a autobiografia do gênio Adrian Newey

Foto do Instagram de Alex Polita