Quantos meteoros no MotoGP ’22, os resultados dos pilotos intermitentes

0
4
petrucci suzuki, motogp

a partir de Nicolas Pascual/paddock-gp

Na temporada de MotoGP de 2022 vimos 32 pilotos em ação, mas você se lembra de todos eles? De fato, é a primeira vez desde 2018 (33) que temos tantos na categoria rainha. Vimos muitos curingas e substituições ao longo do ano e esta é a oportunidade perfeita para lembrá-los. Não mencionaremos o caso de Cal Crutchlow, que merece uma análise própria.

Stefan Bradl, HRC

Comecemos pelo mais óbvio de todos, quem quase podemos considerar como titular dadas as muitas participações nos últimos três anos. Estamos obviamente falando sobre Stefan Bradl. Também nesta temporada ele disputou oito Grandes Prêmios, infelizmente sem sucesso. Em sete delas foi escalado pela Repsol Honda Team no lugar do convalescente Marc Márquez. Já em Jerez, o alemão vestiu as cores da HRC para um verdadeiro curinga. A carreira de Bradl é especial. Depois de um título de Moto2 (curiosamente, mesmo à frente de Márquez), nunca alcançou o tão esperado sucesso no MotoGP. Depois de uma temporada e meia de pesadelo com a Aprilia (2015-2016), pensamos que ele não voltaria à pista tão cedo. No entanto, o seu papel na HRC permitiu-lhe “aproveitar” a lesão de Márquez em 2020. Desde então já competiu em 25 Grandes Prémios pela casa Golden Wing, um verdadeiro tour de force do MotoGP. Em termos de resultados, porém, a história é outra: em 2022 conquistou apenas dois pontos em Misano.

Michele Pirro, Ducati

A respeito Michael Pirro, outro regular entre substituições e testes de MotoGP em condições de corrida? Como acontece há quase 10 anos, o italiano representa a perfeita “super substituto” na MotoGP. Por muito tempo se destacou com ótimos resultados, que sem dúvida poderiam ter conquistado seu lugar como titular regular em uma equipe intermediária. Mas não nesta temporada. O testador de 36 anos lutou para manter o ritmo em suas três aparições (melhor resultado em 16º). De referir que correu com uma Desmosedici decorada com as cores Aruba.it, à semelhança da Superbike Panigale. Uma bela pintura, mas muito acima na classificação para ter tempo de apreciá-la. A Ducati, sem dúvida, terá que lidar com o caso Pirro nos próximos anos e pensar em seu sucessor.

Savadori, Aprilia, e Nagashima, HRC

Também Lorenzo Savadori ele aproveitou algumas oportunidades de wild card para ajudar a desenvolver a Aprilia RS-GP. No entanto, o campeão do Superstock 1000 de 2015 não conseguiu brilhar em suas cinco participações na temporada: o melhor resultado é um 19º lugar em Spielberg. Vamos continuar então com Tetsuta Nagashima. Em 2020 pensávamos que ele estava na disputa pelo título da Moto2 após a vitória no Catar, seguida do pódio em Jerez. Ele finalmente desmaiou completamente no meio da temporada e nunca mais voltou ao pódio. Em 2022, foi-lhe confiado o desenvolvimento da RC213V e o seu papel na HRC permitiu-lhe regressar. Primeiro nas 8 Horas de Suzuka, vencidas com Iker Lecuona e Takumi Takahashi, depois nos Grandes Prêmios. Wild card em Motegi em uma moto de fábrica, ele caiu na volta 10, para então substituir o ferido Takaaki Nakagami nas próximas três rodadas. A máxima é um bom 19º lugar em Phillip Island, um resultado bastante encorajador tendo em conta a performance da sua moto e a sua falta de experiência no MotoGP.

Suzuki, a novidade no MotoGP

Fechamos com os pilotos da Suzuki. Dada a despedida, o fabricante de Hamamatsu decidiu deixar mais pilotos experimentarem a GSX-RR na ausência do lesionado Joan Mir. Três pilotos diferentes correram com sua moto, cada vez por apenas uma rodada. Kazuki Watanabe, em Misano, foi o primeiro: desconhecido na Europa, é especialista em Endurance. Conseguiu resultados notáveis ​​com o SERT, já tinha experimentado a velocidade na Europa e por ocasião de um wild card nas 250cc em Motegi em 2009 obteve o 14º lugar. Ele teve quatro oportunidades na Moto2 em 2010 com a Suter, mas sem sucesso. Em 2017, o piloto ativo no campeonato japonês de Superbike MFJ completou uma temporada completa no Supersport (20º). A sua experiência no MotoGP terminou com um 21º lugar na pista italiana.

Suzuki, o testador e o retorno por Petrucci

Na etapa japonesa, a Suzuki liderou Takuya Tsuda, piloto de testes desde que a marca regressou ao MotoGP em 2015. Os seus 38 anos não o impediram de responder e regressar à fera que ele próprio ajudou a desenhar. Recordamos que já tinha corrido em Jerez em 2017 para substituir o lesionado Álex Rins. Seu domínio foi marcado por chamas saindo de seu casco. O terceiro não é outro senão Daniel Petruccique dispensa apresentações. Bicampeão da MotoGP, o simpático italiano voltava ao Mundial após as excursões off-road e o campeonato disputado nos Estados Unidos. Um 20º lugar em Buriram não prejudica a memória que temos dele, um “louco” que subiu na classificação para se tornar um vencedor do MotoGP perante o seu público em Mugello.

Crédito da foto: motogp.com

O artigo original sobre paddock-gp