MotoGP, Jorge Lorenzo: “Duas possibilidades para regressar à Ducati”

0
5
MotoGP, Jorge Lorenzo

Jorge Lorenzo no paddock da MotoGP com um microfone de comentarista tem um certo efeito, principalmente nos muitos fãs que o viram levantar troféus e conquistar títulos mundiais. A despedida das corridas em 2019 parecia prematura e um pouco forçada, difícil de continuar depois de uma temporada repleta de lesões e com Marc Márquez uma personagem “desconfortável” no outro canto da garagem. Ele teve mais de uma chance de voltar ao jogo, fez uma temporada de testes “meio período” com a Yamaha no ano de Covid, depois uma dupla chamada da Ducati…

O não regresso ao MotoGP

O pentacampeão mundial, em entrevista à SER Catalunya, admitiu que teve a oportunidade de regressar ao MotoGP com a marca Borgo Panigale, tanto em 2020 como em 2021. É difícil esquecer o seu contributo para o GP da Desmosedici e para o vitórias em Mugello, na Catalunha, no Red Bull Ring na temporada de 2018. Quando a rescisão antecipada do contrato com a Honda ficou clara, a Ducati teria entrado em contato com ele duas vezes. “De 2019 a 2020, como de 2020 a 2021, tive duas chances de voltar à Ducati, mas no último momento não tive vontade de assinar“, admite Jorge Lorenzo. “Às vezes você tem que saber quando parar e este é um esporte arriscado onde você pode se machucar. Não queria arriscar, não sentia mais necessidade de correr“.

Jorge Lorenzo e o conto de fadas fracassado

Profundo conhecedor do ambiente Ducati, grande amigo de Gigi Dall’Igna que o queria fortemente no selim da Red, mesmo à custa de um super investimento do grupo Audi. “Desde que Gigi chegou em 2014, aos poucos e por tentativa e erro, ele conseguiu juntar todas as peças do quebra-cabeça“, comentou Jorge Lorenzo, que chegou à Desmosedici numa altura em que a moto da Emilia ainda não estava ao seu nível atual, “teve problemas nas curvas, alguma desvantagem no motor, mas ótima tração e frenagem…“. Exigiu um período maior de ajustes, mas quando os resultados começaram a chegar, os jogos do mercado de transferências acabaram, o investimento financeiro não tinha levado ao objetivo traçado. Uma pena, porque “com a moto agora os resultados teriam sido muito melhores“.

Previsão para 2023

Também na próxima temporada de MotoGP provavelmente veremos Jorge Lorenzo novamente no papel de enviado de Dazn, que também contará com seu compatriota Dani Pedrosa. Em pista, certamente veremos novamente uma Ducati no topo, com dois líderes do calibre de Pecco Bagnaia e Enea Bastianini. E a Aprilia ávida por vingança depois de ter acreditado nisso até ao GP de Aragão. Em seguida, os dois grandes nomes das motos japonesas que planejam voltar ao trono do campeonato mundial, Marc Marquez e Fabio Quartararo. “Esperemos bem para os dois melhores pilotos do momento, Márquez e Quartararo, para que tenham motos melhores, porque lutar com a Ducati neste momento é muito difícil“.

Foto: Instagram @jorgelorenzo99