MotoGP, Giacomo Agostini: “A diferença entre mim e Pecco Bagnaia…”

0
4
MotoGP, Giacomo Agostini

Um fio do campeonato mundial de 50 anos une Giacomo Agostini e Pecco Bagnaia, dois italianos que conseguiram vencer o Campeonato Mundial com uma motocicleta italiana. Durante o fim-de-semana de MotoGP em Valência, o pentacampeão também esteve presente, imortalizado pelas câmaras de televisão de todos os cantos do planeta na box da Ducati, antes do início do Grande Prémio, enquanto fazia um discurso de incentivo ao padrão saboiano O portador. Uma grande página do desporto e da história para a Itália, com o título a regressar às nossas fronteiras nacionais após o triunfo de Valentino Rossi em 2009.

O título de MotoGP “made in Italy”

Giacomo Agostini não poderia faltar ao dia mais importante da Ducati, ainda que não esconda que outra parte do seu coração foi para Fabio Quartararo. “Sim, essa é a verdade. Ganhei meus dois últimos títulos mundiais com a Yamaha e carrego no coração, mas sou italiano e acho que essa vitória é algo importante para a Itália, porque representa nossa tecnologia e nossa força em fazer motos“. Sete vezes campeão mundial na classe 350 de 1968 a 1974, oito vezes campeão na classe 500.

No Ricardo Tormo de Valência saboreou a adrenalina da espera pelo mundial, orgulhoso das cores italianas. No entanto, levou 50 anos para um piloto de Bel Paese vencer novamente com uma motocicleta “made in Italy”, uma espera longa demais. “Meio século se passou porque não é fácil. Os japoneses trabalharam muito para crescer no Mundial, agora é fantástico que a Ducati, uma fábrica muito menor, tenha conseguido deixar todas essas motos prontas para a vitória, porque todos os seus pilotos podem fazer isso. O crédito vai para os técnicos da Ducati por isso“.

Bagnaia-Agostini diferença “do coração”

Pecco Bagnaia tem também outro grande mérito, não o ter feito lamentar a despedida de Valentino Rossi do MotoGP. Um ano após o lançamento do Doctor, logo no Ricardo Tormo em Valência, a Itália sobre duas rodas está mais uma vez em festa. “Sempre precisamos ter um herói, um piloto que faça coisas que os outros não podem fazer“, Giacomo Agostini lembrou ‘AS’. Isso é o que o público quer e o que Pecco fez é importante, mostrou que tem uma cabeça boa”. O personagem de Bagnaia lembra em parte ‘Ago’, ainda que o 15 vezes campeão aponte uma discrepância: “Gosto do Pecco, porque ele é um piloto tranquilo, que não faz muitos shows. Tem um pouco do meu caráter, sem fazer coisas estranhas. Ele também é bonito, mas já tem namorada, enquanto eu estava livre. esta é a diferença (passeio)”.

Foto: MotoGP.com