Milena Koerner Gerente do GP “Desisti de muita coisa mas sem moto fugia”

0
10
milena-koerner-fantic

Das corridas vistas na TV aos agora papéis fundamentais no mundo das duas rodas. Milena Koerner ela começou como fã, mas sua vida mudou quando as corridas de MotoGP chegaram à Alemanha, não muito longe de sua casa. O primeiro passo que a levou a tornar-se uma personagem fundamental em todas as equipas onde trabalhou. Com profissionalismo e a “frieza” certa, às vezes tornando-se “Rotty”, um diminutivo de Rottermeier, a despótica governanta do desenho animado ‘Heidi’. Mas nunca de forma negativa. “Até os pilotos apreciam e entendem o que é preciso para crescer” apontou Koerner. Ele agora é pivô na Fantic, com muitos projetos para desenvolver. Por ocasião da EICMA tivemos a oportunidade de conhecer a sua história, aqui fica a nossa entrevista.

Onde sua história começa?

Basicamente de uma família que não tinha nada a ver com corridas. Meu pai, meu tio e meu irmão só tinham moto para ir na estrada, minha avó andava de sidecar nos anos 50 e 60. A certa altura, quando eu era pequeno, meu pai começou a me dizer para assistir às corridas e dizer a ele quem estava ganhando porque ele não tinha tempo. Depois comecei a olhar para eles porque gostava deles, até que em 98 fizeram o GP da Alemanha de MotoGP: o Sachsenring ficava a 20 km da minha casa e fui lá com meus avós. Na altura, pela forma como o circuito estava estruturado, os mecânicos, os pilotos, todos tinham de passar por uma zona onde também podiam chegar os adeptos. Tive sorte: fiz amizade com algumas pessoas, fui a outras corridas e depois comecei a trabalhar na hotelaria.

Os primeiros passos no paddock.

O engraçado é que uma das primeiras pessoas com quem trabalhei foi Stefano Bedon, que nesses quatro ou cinco anos me deu cada vez mais responsabilidade. De simples garçonete a receber convidados no circuito, então me deu a oportunidade de cuidar dos convidados mesmo de casa, de preparar outras coisas, de crescer aos poucos. Depois passei a ser coordenador de equipa, pelo que também fui responsável pela logística, comunicados de imprensa e entrevistas com os pilotos. Fui para a Yamaha Tech3 no MotoGP de 2012 a 2016, depois de 2017 a 2021 fui gerente de equipe na Moto2 no Forward. Um percurso só no Campeonato do Mundo. Então talvez nas horas vagas houvesse o interesse de ir ver uma corrida cross ou outra coisa, para amizades, mas acabou por aí. Quando você está fora 200 dias por ano, os poucos fins de semana em que você está em casa não querem necessariamente ser gastos em outras pistas, mas às vezes acontecia.

No entanto, você decidiu mudar para 2023.

A ideia era ficar um pouco mais em casa, fazer algo mais normal, mais tranquilo. Mas no dia que mandei o e-mail para parar com esse time, o Stefano me escreveu. Ele me disse que em 2023 havia um projeto de Moto2 com a Fantic e que precisava de mim, queria que eu estivesse lá. Para o próximo ano, era algo sobre o qual poderíamos conversar, mas então ele me disse que precisava de uma ajuda ainda mais cedo. Esclareci imediatamente que meu conhecimento off-road era bastante limitado, mas eles me responderam “Você aprende rápido!” Sério, foi um ano de grande crescimento para mim: tive que aprender muitas coisas e ainda estou aprendendo, com equipes muito boas e pessoas maravilhosas. O clima na empresa também é muito estimulante, você quer muito trabalhar e é bom sentir esse entusiasmo. Devo dizer que, mesmo começando a fazer corridas de cross e enduro, me apaixonei muito por essas disciplinas.

Então nada de “eu fico mais em casa”.

Não funcionou. Na verdade tenho estado ainda mais presente do que antes e no próximo ano quando olhei para o calendário… Entre março e novembro há quatro fins-de-semana sem enduro, motocross e MotoGP, e os calendários nacionais ainda não saíram. É cansativo, mas é muito lindo! Então, agora a empresa cresceu muito rapidamente: no EICMA 2019, a Fantic anunciou sua entrada nas corridas, mas depois de dois ou três anos você certamente não pode estar no mesmo nível que Honda, Yamaha, KTM. Há muita vontade de fazer e um excelente potencial, mas ainda há coisas por descobrir e é nisso que estamos a trabalhar. Com pessoas com quem você sente que a paixão faz a diferença.

O que você está fazendo atualmente?

A relação com as equipas, o fornecimento de materiais, a escolha dos fornecedores, os contratos… Tudo aquilo que actualmente tenho o prazer de tratar. Com 22 pilotos tendo seu número de telefone, não é muito fácil. Mas também inclui uma estimativa de quantas motocicletas serão necessárias para o próximo ano. Ou há equipas que perguntam se podem correr com material Fantic, então que projetos existem, para que campeonatos, se há apoios… A tudo isto também se juntou o Dakar, outra coisa completamente nova para mim e que este ano vou irá seguir. Todas as disciplinas com características diferentes, você tem que mexer um pouco no nariz para entendê-las, considerando também o regulamento técnico. Mas é muito bom.

Qual é a coisa que você acha mais difícil de administrar?

Basicamente a parte burocrática. Sendo uma empresa de uma certa dimensão, há certas estruturas, práticas a seguir… Mas também a falta de tempo, muitas vezes tudo te sobrepõe. Recentemente decidimos trocar o piloto da Moto2: pelo regulamento ele pode fazer testes até novembro, mas tínhamos planejado a devolução do material e da equipe. Em vez disso, você não quer dar a ele a chance de fazer um teste antes do final do ano? Conhecer a equipe, coletar dados com os mecânicos, entender o que pode ser útil… Ele assinou na sexta, a equipe saiu na quarta, o piloto esteve na pista na quinta. Mas precisa dos pneus, dos gráficos da caixa, da moto e do macacão… Justamente dois dias antes do EICMA.

Uma corrida contínua para você.

Outro exemplo: terça-feira, dia 1, que era feriado, fiz um teste com um piloto de enduro. No dia 2 parti para Valência, fiquei até segunda-feira de manhã, depois apanhei o avião para Bérgamo e vim para a Feira durante três dias. Na noite de quinta-feira voltei ao aeroporto de Bérgamo e cheguei a Valência à 1h e passei a sexta-feira com a equipe na garagem. À noite peguei mais dois aviões porque não havia vôo direto para Bérgamo, cheguei à uma da manhã, para estar na Feira às oito e meia. De referir ainda que neste período são assinados muito mais contratos do que no resto do ano. Mas a dificuldade no final é sempre conseguir dar a devida importância a todos. Tenho um pouco de pena porque sempre faço as coisas com o coração e sofro porque nem sempre consigo fazer tudo da melhor maneira possível. Precisamos crescer e nos estruturar melhor.

Como você acompanha tudo?

Certamente ajudou o fato de meus pais terem uma agência de táxi e transporte. Ele estava de plantão e você sempre trabalhava quando os outros talvez estivessem festejando. Difícil pensar em pegar um táxi entre as oito da manhã e as seis da tarde, normalmente você o faz à noite, quando volta e não quer dirigir, ou quando vai à discoteca, ao aeroporto , ao hospital… Muitas vezes e de boa vontade são chamadas urgentes, portanto sem programação. Meus pais lá eram realmente muito concentrados, trabalho antes de tudo, e eles me deram essa mentalidade. Nunca foi um problema para mim, além de ser um ambiente que eu gosto.

Você disse que ninguém na família jamais foi piloto. Você já pensou sobre isso?

Só tenho habilitação para moto. Então eu venho da Alemanha Oriental, onde a ginástica artística era um esporte muito menos difícil de fazer. Sair para correr… Precisávamos de dinheiro, porque corrida custa muito, e tempo, que minha família não tinha. Sou uma pessoa muito competitiva, é o que me dizem, mas não, sinceramente nunca pensei nisso. Prefiro correr de carro com meus colegas para chegar ao hotel!

Qual foi a maior satisfação até agora?

Tendo vindo a ter uma certa credibilidade perante um dos meus pilotos, apesar de nunca ter feito o seu trabalho. Quando era chefe de equipe na Moto2, antes da corrida também falava com o piloto se houvesse certas situações. Às vezes acontecia que, voltando para a garagem após a corrida, eles me diziam que eu estava certo, que haviam pensado em mim naquela situação específica, fazendo o que eu havia dito. Essas são as coisas que eu carrego comigo. No final, também estamos falando de caras muito jovens que estão perseguindo seus sonhos e é bom poder ver isso. Também gosto disso na Fantic: pegar jovens talentos e fazê-los crescer. Quando contratamos Borja Gomez, ver a emoção dele enche o coração! Ele sabia apenas meia hora antes que tinha essa oportunidade na Moto2.

Qual é a ‘fórmula certa’ para gerenciar esses caras?

Você deve primeiro ver a pessoa do piloto, mas também deve permanecer sério e profissional, nunca ultrapassando um certo limite. Por exemplo, Crutchlow me mandou uma mensagem um dia depois que paramos de trabalhar juntos: “A partir de hoje podemos ser amigos!” Enquanto vocês trabalharem juntos, nunca precisarão ir mais longe, precisarão de um certo desapego. Adoro os pilotos com quem trabalhei, respeito-os, mas não se pode ignorar certas coisas porque são amigos. Ainda é uma empresa, com orçamento e obrigações. Não posso ficar com você porque gosto de você, ou colocá-lo em certas coisas, me causando problemas com patrocinadores, só porque você é um cara legal. Vocês compartilham muito, passam muito tempo juntos, claro que é diferente de um trabalho de escritório, mas ainda é um trabalho.

Já aconteceu de você não se dar bem com alguns pilotos?

Com os pilotos, eu diria que não. Ainda assim, quando você junta 15 a 20 pessoas, é sempre difícil encontrar a química perfeita. Aí pode ser que não saia o resultado, acontece uma lesão, pode ser muitas outras coisas. De qualquer forma, com os pilotos há sempre alguém de quem você é mais próximo, com os outros você tem uma relação mais “fria”, distante. Mas também depende dos caras: quando você pega um piloto já treinado por um curto período de tempo, você tem uma relação diferente de quando você começa com um jovem e o vê crescer. Os momentos bons, os ruins, as melhorias, as satisfações… Há uma grande diferença. Por exemplo Pol Espargaró,…