Max Biaggi desafia o medo: na pista no local do terrível acidente

0
3
Max Biaggi

Max Biaggi rápido na pista e forte contra os fantasmas do passado. Após a temporada de MotoGP de 2022, a Corsair decidiu envolver-se no ‘Circuito Internacional de Sagitário’. Uma escolha altamente simbólica e não aleatória, após o terrível acidente sofrido em 9 de junho de 2017, no qual sofreu múltiplas fraturas e um traumatismo craniano que o obrigou a ficar internado por algumas semanas. Pouco tempo depois teria decidido retirar-se definitivamente da competição, mas na realidade o campeão romano nunca conseguiu ficar longe das pistas e das suas duas rodas.

O Incidente Latina

Naquele dia 9 de junho, Max Biaggi pilotava sua Aprilia Supermotard com o objetivo de participar de uma corrida no Campeonato Italiano de SM. Ele havia se aposentado há muito tempo das corridas profissionais, mas no circuito da Lazio sofreu a pior lesão de sua carreira, a uma velocidade surreal de 40 km/h. O haltere inflige um forte golpe em seu peito, causando-lhe a fratura de 12 costelas e um grave problema pulmonar que requer internação para cirurgia duas vezes. 18 longos dias na unidade de terapia intensiva, com sua então namorada Bianca Atzei ao seu lado, até que ele deixou o San Camillo em Roma em seu 46º aniversário (26 de junho).

Max Biaggi retorna a ‘Sagitário’

Embora Max Biaggi tivesse prometido ao pai que nunca mais andaria de moto daquele dia em diante, foi difícil manter a palavra. Ele não hesitou em começar o dia com velocidade e adrenalina ao bater o recorde de velocidade na Flórida, pilotando o Voxan Wattman elétrico, atingindo 470 km/h em uma plataforma de lançamento espacial. Cinco anos depois do acidente em ‘Sagittarius’ que quase acabou com a sua vida, ele decidiu superar os seus medos e voltar a pilotar a mesma Aprilia e no mesmo circuito.

Difícil descrever certas emoções, mesmo para um hexacampeão mundial. “Assim que cruzei o portão do circuito, em um instante fui teletransportado para o passado – diz a Corsair nas redes sociais -. Fui até a garagem e abri a veneziana! Vocês não vão acreditar, pessoal, mas o tempo parou aí. As bicicletas nas arquibancadas, os capacetes na mesa, ao lado das luvas e o macacão na cadeira. Apenas o traje me teletransportou para aquele 9 de junho de 2017“.

Na pista para exorcizar o medo

Vem à mente o macacão da época, rasgado pelas tesouras dos médicos de San Camillo. Para um piloto, o traje é uma segunda pele e vê-lo reduzido a esse mundo teve um forte impacto na mente de Biaggi. São dias de trovoada na Lazio, rodou em pista molhada e começou muito cauteloso, aumentando gradualmente o ritmo da sua motard. Cem voltas em dois dias, alternadas”pilotando várias motocicletas e trazendo meus dois cilindros Aprilia SXV 450 de volta à pista. Pessoal, deixe-me dizer que o som daquele cilindro duplo é uma música celestial. Não existe isso, nada! Foi um bom flashback. Eu queria voltar ao local do acidente, para tentar exorcizar aquele momento terrível Max concluiu. e me divertir de novo, fazendo o que amo profundamente, para sempre!“.

Foto: Facebook Max Biaggi See More