A opinião: “Pecco Bagnaia salva o instinto e não a razão na batalha”

0
8
Pecco Bagnaia, Ducati

Giuliano Pugolotti, jornalista e escritor, é um dos mais conhecidos corredores do deserto italiano. Ele correu centenas de quilômetros, sozinho, nas situações mais extremas. Passou por lugares lendários: do Atacama a Gobi, de Wadi Rum a Svalbard.

Parmesan, 62 anos, Giuliano adora motociclismo em todas as formas. Ele é um leitor apaixonado de Corsedimoto e às vezes nos envia pensamentos e considerações. Que nunca são triviais, porque Pugolotti é um grande observador de homens e esportistas. Começando consigo mesmo. Por que se lançar em uma ultramaratona, sem saber como seu corpo responderá, e quais testes o ambiente ao redor o forçará a fazer, é um pouco como tentar vencer o Campeonato do Mundo de MotoGP. Uma viagem adrenal e exaustiva ao desconhecido.

Domenica Giuliano ficou impressionada com o erro de Pecco Bagnaia e nos enviou estas considerações que compartilhamos com vocês leitores.

“Em junho havia mais de oitenta pontos atrás de Fabio Quartararo e o mundial de Pecco Bagnaia parecia fechado. A partir desse momento, assim que a pressão foi retirada, Bagnaia começou a ganhar de uma vez” explica Giuliano Pugolotti. “Eu esperava. Agora que o mundial está aberto novamente, ainda há pressão e Bagnaia que volta a cometer os mesmos erros. Ele como atleta dá tudo de si e você não pode pedir mais. Ele simplesmente não tem a indiferença do campeão ou mesmo a visão. Você pode construir o que quiser na mesa, mas quando está em batalha é o instinto que o salva, não a razão. Você não tem tempo para pensar. Você tem que decidir sem pensar.

Piloto tecnicamente muito forte, mas isso não é suficiente. No Japão, seu companheiro de equipe com a mesma moto e os mesmos pneus estabeleceu uma enorme diferença para o segundo. Então a bicicleta está lá. A equipe está lá. O piloto? Afinal, o esportista é um laboratório vivo. Ela se elabora e se molda a partir de situações com as quais as pessoas que não competem não conseguem conviver. É por isso que é fascinante e belo segui-los. Eu não sou fã. Gosto de todos os pilotos e é interessante ver as ideias que os tornam reconhecíveis”.